HISTÓRICO

A ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ é uma entidade de classe de âmbito estadual representativa dos oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, inclusive dos de vínculo federal pré-existente, e também de caráter sócio - desportivo - cultural - beneficente, conforme estatuto em vigor.

Fundada em 18 de setembro de 1917, com a denominação Fraternidade Auxiliadora dos Oficiais Reformados da Brigada Policial e Corpo de Bombeiros do então Distrito Federal, foi reconhecida de utilidade pública pelo Decreto Federal nº 41.502, de 16 de maio de 1957, cuja última denominação social foi modificada por alteração estatutária para Clube de Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro.

Sua sede inicial era localizada no sobrado da Rua Luiz de Camões, nº 36, no Centro do Rio, onde funcionava a sede da Sociedade Beneficente Luiz de Camões, com a qual compartilhou o imóvel até janeiro de 1919.

Como homenagem especial ao seu principal sócio-fundador e primeiro Presidente, considera-se como Patrono da Associação o Tenente-Coronel PM PEDRO ALEXANDRINO DE ANDRADE.

PRINCIPAIS OBJETIVOS:

1. Defender os interesses dos Oficiais Militares Estaduais e pugnar por medidas acautelatórias de seus direitos;

2. Estreitar os laços de união e solidariedade entre os Oficiais Militares Estaduais e entre estes e as demais classes, militares e civis;

3. Organizar ou patrocinar eventos sociais, desportivos e culturais, bem como as atividades recreativas e de lazer, inclusive fora das dependências da AME/RJ, destinados aos associados e com ênfase às reuniões familiares;

4. Promover publicações, conferências, exposições e cursos de interesse do associado;

5. Prestar assistência jurídica, beneficente, médico-odontológico, social e mutuaria aos associados, na forma da regulamentação própria;

6. Auxiliar, no que couber, os associados, em suas relações com pessoas físicas e jurídicas, públicas e privadas;

7. Cultivar as relações com as instituições congêneres, prioritariamente as representativas de militares estaduais;

8. Participar, em parceria com associações congêneres, organizações governamentais ou não governamentais, de projetos e promoções de cunho assistencial ou desportivo, que beneficiem de alguma forma a ação da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros Militar;

9. Incentivar as manifestações cívicas e patrióticas.